Sábado, Julho 13

Walter Massey, um físico com uma vocação superior

Walter Massey, um físico com uma vocação superior

E, ao contrário das representações de físicos teóricos na cultura pop (escrevendo paciências em quadros negros, envoltos em nuvens de pó de giz), o Dr. Massey gosta de trabalhar com pessoas. Por sua vez, as pessoas o respeitam o suficiente para dizer seu nome nas salas certas. Você termina um projeto e não demora muito para que outro caia no seu colo. Ele também tem tendência a herdar organizações que precisam de alguma direção, mais recentemente o Gigante de Magalhães, que enfrenta turbulências financeiras.

O envolvimento do Dr. Massey no projeto do telescópio ocorreu no final de sua presidência na Escola do Instituto de Arte de Chicago. Durante uma reunião do conselho de administração do Laboratório Biológico Marinho Woods Hole, em Massachusetts, Robert Zimmer, então presidente da Universidade de Chicago, o abordou com uma proposta para ingressar no conselho de administração do Gigante Magalhães. Um ano depois, o Dr. Massey foi eleito presidente.

Mas entre todas as suas publicações e elogios, um se destaca, disse Massey. Em 1995, ele assumiu a presidência de sua alma mater, Morehouse College, uma faculdade historicamente negra em Atlanta e local do funeral do Dr. “Sem Morehouse”, disse ele, “eu simplesmente não seria quem sou”.


Dr. Massey cresceu em Hattiesburg, Mississippi, durante o auge da segregação. Se você fosse negro, ele lembrou, você se sentava na varanda assistindo a um filme, andava de ônibus no banco de trás e passava pelas entradas laterais das lojas, se pudesse fazer compras lá. E quando tinha um branco na calçada, você saía do caminho.

Desesperado para ir embora, ficou radiante quando, aos 16 anos, ganhou uma bolsa para estudar em Morehouse. Mas ele rapidamente percebeu que seus colegas desprezavam o povo do Mississippi. “Então eu disse: ‘Vou mostrar a você’”, disse Massey. “Qual é o curso mais difícil?” Ele escolheu a física porque sentiu que tinha algo a provar.

Em um consórcio de quatro universidades, ele foi o único aluno do ano de física. Mas ele nunca esteve sozinho. Pelo contrário, adorava perder-se em equações. Anos mais tarde, em seu memóriaMassey descreveu uma “absorção total que é o mais próximo de um estado meditativo que já alcancei”.

Ele levou essa paixão para um programa de doutorado na Universidade de Washington, em St. Louis, onde estudou como o hélio líquido se comportava perto do zero absoluto. Em 1966, obteve seu doutorado e juntou-se a um grupo de mais de uma dúzia de físicos negros de todo o país que haviam realizado o mesmo feito.

Pouco depois, Massey mudou-se para Chicago para trabalhar no vizinho Laboratório Nacional de Argonne, estudando o estranho comportamento das ondas sonoras no hélio superfluido, que parecia desafiar as leis da física. Seu trabalho chamou a atenção de pesquisadores de Urbana-Champaign, bem como de Anthony Leggett, teórico da Universidade de Sussex, na Inglaterra, cuja compreensão do hélio Mais tarde, rendeu-lhe o Prêmio Nobel de Física..