Domingo, Abril 21

Soldados da paz da ONU feridos na explosão no Líbano: últimas atualizações de notícias

Embora o Conselho de Segurança das Nações Unidas tenha aprovado na segunda-feira uma resolução apelando a um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza, resta saber se terá um efeito concreto na guerra ou simplesmente se revelará uma declaração política.

A medida, Resolução 2.728, surgiu após três tentativas anteriores bloqueadas pelos Estados Unidos. Foi aprovado por 14 votos, após os Estados Unidos se absterem de votar e não exercerem o veto.

A resolução também apela à libertação incondicional de todos os reféns e ao fim das barreiras à ajuda humanitária.

O governo de Israel condenou a votação e os primeiros indícios são de que a acção da ONU pouco mudou no terreno ou estimulou o progresso diplomático.

Dias após a votação, veja o que mudou e o que pode acontecer a seguir:

A resolução afetou os combates?

Altos responsáveis ​​israelitas disseram que iriam ignorar o pedido de cessar-fogo, argumentando que era imperativo continuar a guerra até que a ala militar do Hamas, o grupo militante que liderou o ataque de 7 de Outubro a Israel, fosse desmantelada.

Desde segunda-feira não houve nenhuma mudança aparente na campanha militar. A força aérea de Israel continua a bombardear Gaza e o Hamas continua a lançar ataques.

Os militares israelitas continuam um ataque ao Hospital Al-Shifa, no norte de Gaza, o maior centro médico do território, bem como a sua ofensiva em Khan Younis, a maior cidade do sul, onde os combates têm sido ferozes.

Explosão durante os ataques em Rafah na noite de terça-feira.Crédito…Said Khatib/Agência France-Presse — Getty Images

Se Israel não der atenção à resolução, o que poderá a ONU fazer?

O Conselho de Segurança tem poucos meios para fazer cumprir as suas resoluções. O Conselho pode tomar medidas punitivas, impondo sanções aos infratores. No passado, tais medidas incluíram proibições de viagens, restrições económicas e embargos de armas.

Neste caso, contudo, especialistas jurídicos disseram que qualquer acção adicional exigiria uma nova resolução e que a sua aprovação exigiria o consentimento dos cinco membros com poder de veto do conselho, incluindo os Estados Unidos, o mais fiel aliado de Israel.

Também pode haver desafios legais. Embora as Nações Unidas afirmem que as resoluções do Conselho de Segurança são consideradas direito internacional, os juristas debatem se todas as resoluções são vinculativas para os estados membros, ou apenas aquelas adotadas sob capítulo VII da Carta da ONU, que trata das ameaças à paz. A resolução aprovada na segunda-feira não menciona explicitamente o Capítulo VII.

Autoridades da ONU disseram que ainda era vinculativo para Israel, mas alguns países discordaram. A Coreia do Sul disse na segunda-feira que a resolução não era “explicitamente coercitivo ao abrigo do Capítulo VII”, mas que reflectiu um consenso da comunidade internacional.

Crucialmente, a embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, sustentou que o a resolução não era vinculativa. Os Estados Unidos, que têm um poder significativo no Conselho de Segurança devido ao seu assento permanente, provavelmente verão a aprovação da resolução mais como um instrumento político valioso do que como uma ordem vinculativa, disseram especialistas.

A abstenção dos Estados Unidos envia um sinal poderoso das suas prioridades políticas, mesmo que, a curto prazo, seja pouco provável que o Conselho de Segurança tome novas medidas, de acordo com Ivo H. Daalder, antigo embaixador dos EUA na NATO.

“Nem Israel nem o Hamas serão influenciados por uma resolução da ONU”, disse Daalder.

E quanto a ajuda?

Israel controla o fluxo de ajuda para Gaza e, após cinco meses de guerra, os habitantes de Gaza enfrentam uma grave crise de fome que beira a fome, especialmente no norte, segundo as Nações Unidas e os residentes do território.

Grupos de ajuda culparam Israel, que anunciou um cerco ao território depois de 7 de outubro. Dizem que as autoridades impediram a entrega de ajuda através de inspecções e restrições rigorosas.

Israel afirma que está a trabalhar para impedir que a ajuda chegue ao Hamas e diz que os seus responsáveis ​​podem processar mais ajuda do que os grupos de ajuda conseguem distribuir dentro do território. A crescente ilegalidade em Gaza também dificultou a distribuição de ajuda, com alguns comboios a terminarem em violência mortal.

Pouca coisa mudou esta semana. O número de camiões de ajuda que entraram em Gaza na terça-feira a partir das duas passagens de fronteira abertas para ajuda correspondeu aproximadamente ao número médio diário de travessias deste mês, segundo dados da ONU. Esse número, cerca de 150 camiões por dia, é quase 70% inferior ao número anterior a 7 de Outubro.

A ajuda foi lançada sobre Gaza na quarta-feira.Crédito…Jack Guez/Agência France-Presse — Getty Images

Como a resolução afetou a diplomacia?

Israel e o Hamas parecem ainda estar distantes nas negociações destinadas a mediar a cessação dos combates e a troca de reféns por prisioneiros palestinianos.

Mediadores estiveram no Qatar para tentar reduzir as diferenças. Mas na noite de segunda-feira, o Hamas rejeitou a última contraproposta de Israel e o seu líder político, numa visita a Teerão esta semana, disse que a resolução mostrava que Israel estava diplomaticamente isolado.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, argumentou que a resolução atrasou as negociações, encorajando o Hamas a esperar melhores condições.

O maior ponto de discórdia nas negociações de cessar-fogo recentemente foi o número de prisioneiros palestinos que seriam libertados, especialmente aqueles que cumpriam longas sentenças por violência contra israelenses, disseram autoridades dos EUA e de Israel.