Domingo, Março 3

Por que as mulheres têm mais doenças autoimunes? O estudo aponta para o cromossomo X

As mulheres têm muito mais probabilidade do que os homens de ver o seu sistema imunitário voltar-se contra elas, resultando numa série de doenças chamadas auto-imunes, como o lúpus e a esclerose múltipla. PARA estudar publicado na quinta-feira oferece uma explicação baseada no cromossomo X.

A investigação, publicada na revista Cell, sugere que um conjunto especial de moléculas que actuam no cromossoma X extra que as mulheres transportam pode por vezes confundir o sistema imunitário.

Especialistas independentes disseram que é improvável que as moléculas sejam a única razão pela qual as doenças autoimunes distorcem as mulheres. Mas se os resultados se mantiverem em experiências futuras, poderá ser possível basear novos tratamentos nestas moléculas, em vez de medicamentos actuais que enfraquecem todo o sistema imunitário.

“Talvez essa seja uma estratégia melhor”, disse o Dr. Howard Chang, geneticista e dermatologista de Stanford que liderou o novo estudo.

Os embriões masculinos e femininos carregam 22 pares idênticos de cromossomos. O 23º par é diferente: as mulheres carregam dois X, enquanto os homens carregam um X e um Y, que levam ao desenvolvimento dos órgãos sexuais masculinos.

Cada cromossomo contém genes que, quando “ligados”, produzem proteínas para realizar trabalhos dentro das células. Pode-se esperar que as mulheres, com duas cópias de X, produzam duas vezes mais proteínas X que os homens. Em vez disso, eles produzem aproximadamente o mesmo nível. Isso ocorre porque um dos dois cromossomos X está silenciado.

Uma molécula chamada Xist se liga ao segundo cromossomo X “como velcro”, disse o Dr. Chang. À medida que centenas de moléculas Xist envolvem o cromossomo X, elas o desativam completamente.

Manter um X em silêncio é crucial para a saúde da mulher. Se um gene no segundo cromossoma X escapar ao controlo de Xist, ocorrerá um excesso de proteínas, algumas das quais poderão ser tóxicas.

Em 2015, ocorreu ao Dr. Chang que o próprio silenciamento também poderia ter uma desvantagem. Sua epifania ocorreu enquanto ele se preparava para fazer os exames médicos para renovar sua licença de dermatologista.

Como parte de seus estudos, o Dr. Chang teve que revisar doenças autoimunes e memorizar os nomes de proteínas humanas que podem ser atacadas por um sistema imunológico equivocado. Quando ele olhou a lista, ficou surpreso ao ver alguns nomes familiares.

Quando o Dr. Chang não está trabalhando como dermatologista, ele pesquisa o cromossomo X em seu laboratório. Ele percebeu que muitas das proteínas implicadas em doenças autoimunes também ajudaram o Xist a silenciar o cromossomo X.

Talvez, pensou o Dr. Chang, isso não fosse uma coincidência.

O novo estudo surgiu de anos de pesquisa que testaram seu palpite de que as moléculas Xist poderiam causar doenças autoimunes. Ele e seus colegas estudaram uma linhagem de camundongos em que as fêmeas apresentam alto risco de contrair lúpus, uma doença autoimune, enquanto os machos nunca desenvolvem casos graves.

Os pesquisadores modificaram geneticamente camundongos machos para que, assim como as fêmeas, produzissem Xist. “Uma vez que os ratos machos expressam Xist, eles apresentam níveis muito piores de doenças imunológicas”, disse o Dr. Chang.

Os pesquisadores também descobriram que pessoas com lúpus ou duas outras doenças autoimunes tinham níveis elevados de anticorpos contra proteínas relacionadas ao Xist no sangue.