Sábado, Julho 20

O Super Bowl afetará as opiniões políticas dos fãs? Você pode contar com isso.

O Super Bowl afetará as opiniões políticas dos fãs?  Você pode contar com isso.

Damian R. Murray, psicólogo da Universidade de Tulane, estuda como diversas circunstâncias sociais e acontecimentos da vida afetam as opiniões políticas das pessoas. Por exemplo, você descobriu recentemente que ser pai significa uma pessoa se torna mais conservadora socialmente. Na véspera do Super Bowl, ele concedeu uma entrevista ao The New York Times para discutir outro estudo recente, que examinou como as perspectivas políticas dos fãs de esportes podem ser alteradas pelas vitórias e derrotas de seus times.

Esta conversa foi editada e condensada para maior clareza.

O que inspirou este trabalho?

Esses jogos são muito poderosos emocionalmente e as pessoas estão muito envolvidas emocionalmente. A questão é: quais poderão ser as implicações a jusante, no mundo real, para coisas que não têm nada a ver com o evento desportivo em si? Existem consequências para as atitudes políticas ou padrões de votação, ou para as nossas afiliações de grupo?

Para ser claro, estamos falando de fãs, não de pessoas que realmente jogam o jogo.

Bom. Como espectadores, estamos vivenciando os altos e baixos de atletas com quem, de outra forma, não teríamos relacionamento. As mudanças materiais que experimentamos, quer os jogadores ganhem ou percam, são essencialmente zero. Mas ainda estamos nesta jornada psicológica.

Você pode descrever a pesquisa?

O fizemos dois estudos diferentes em duas populações diferentes. A primeira amostra foi dos britânicos na Inglaterra durante a Eurocopa de 2016.

um torneio de um mês realizado a cada quatro anos para determinar a melhor seleção nacional de futebol da Europa.

Lá é enorme, o mais próximo do Super Bowl, fora da Copa do Mundo. Então, testamos os britânicos imediatamente após vitórias e derrotas em grandes torneios. Fizemos perguntas sobre o seu preconceito nacional dentro do grupo, que é, por exemplo, o quão inteligente ou carismático eles consideravam um residente típico do Reino Unido. Também lhes perguntamos sobre o que chamamos de igualitarismo financeiro.

Qual é?

Perguntamos-lhes se concordavam ou discordavam que é responsabilidade das pessoas em melhor situação ajudar aquelas que estão em pior situação e coisas assim. Mostra como as pessoas são tolerantes com a desigualdade financeira.

Fizemos perguntas semelhantes à população em nosso segundo estudo: pessoas fora do Tiger Stadium em Baton Rouge, Louisiana, assistindo a jogos de futebol da Louisiana State University. Pesquisamos as pessoas antes e depois dos jogos. Felizmente para nós, durante o período de estudo houve duas vitórias e duas derrotas.

Não tive tanta sorte para LSU

Bom. O que descobrimos foi que depois de uma vitória, os torcedores da LSU tinham um preconceito maior dentro do grupo: eles percebiam características mais positivas sobre outras pessoas da LSU, como o torcedor médio da LSU ser mais inteligente e fisicamente mais forte em comparação com o americano médio. A mesma coisa que fizemos na Inglaterra, resultados semelhantes. Na Inglaterra, após uma vitória da seleção nacional, os torcedores sentiram que o britânico médio possuía características mais positivas do que após uma derrota.

E depois de uma vitória, os torcedores de ambos os lugares se sentiram menos iguais financeiramente. Assim, tanto na Inglaterra quanto na LSU, os torcedores eram mais propensos a concordar com as afirmações de que muito dinheiro é alocado para aqueles que estão em pior situação. Depois de uma derrota aconteceu o contrário: os torcedores depois das derrotas ficaram mais a favor da igualdade financeira na sociedade.

Portanto, se estivermos em um grupo perdedor, será que poderíamos proteger mais a ideia de igualitarismo porque estamos cientes de que podemos acabar no limite?

Exatamente. Gostamos de pensar que as nossas posições morais e políticas são racionais, mas sabemos, por muitos trabalhos anteriores, que a nossa moral está estrategicamente calibrada. O estudo parece captar esta atração psicológica que temos por um maior preconceito de grupo e pela afiliação a vencedores e perdedores, independentemente de quão arbitrário seja o contexto ou a competição.

No sentido de que não temos controle sobre o jogo?

Sim. Além disso, em quase todos os casos, o jogo não tem influência na nossa subsistência, no nosso bolso, na nossa vida familiar ou em qualquer coisa do género.

Quanto tempo dura esse efeito? Os fãs do Chiefs ou Niners sentirão uma vitória ou uma derrota em novembro?

As memórias emocionais de vitória ou derrota certamente permanecerão em muitos torcedores, mas espero que essas pequenas mudanças políticas sejam bastante temporárias e não durem mais do que alguns dias. Mas mesmo os efeitos de curta duração podem ter consequências reais. Uma das maiores vitórias do futebol britânico ocorreu pouco antes da votação do Brexit. Esta votação foi decidida pela mais estreita das margens. É uma prova de como algo transitório, como um evento esportivo que mexe um pouco com a política, tem potencial para ter grandes repercussões mais tarde.

Você realmente percebeu a conexão entre o Brexit e o futebol?

Não, e ninguém mais fez isso que eu saiba.

Ainda assim, se o Super Bowl fosse realizado, digamos, no final de outubro, isso poderia afetar as eleições presidenciais de novembro?

Se eu tivesse que especular, diria que sim, um Super Bowl no final de outubro poderia potencialmente influenciar uma eleição importante. Dada a estreita margem de decisão que muitos estados têm, mover temporariamente o ponteiro em meio ponto percentual ou menos da maioria dos eleitores poderia alterar o resultado das eleições.

É saudável ficar tão absorto em um jogo?

É totalmente saudável psicologicamente, se você lembra é porque adoramos ter essas emoções vicárias. Adoramos nos afiliar e colocar nossas emoções nessas camisetas em um campo de futebol que de outra forma não seria relacionado. Porém, após o jogo, incentivo os torcedores a deixarem no campo ou na tela.