Quinta-feira, Fevereiro 22

Nova esperança (e um velho obstáculo) para uma doença terrível com tratamentos terríveis

Há três anos, Jesús Tilano foi a um hospital num vale densamente arborizado na Colômbia com grandes lesões abertas no nariz, no braço direito e na mão esquerda. Ele foi diagnosticado com leishmaniose, uma doença parasitária que é transmitida pela picada de uma fêmea de flebotomíneo e que afeta pessoas pobres que trabalham em campos ou florestas em países em desenvolvimento.

Foi-lhe prescrito um medicamento que exigia três injeções por dia durante 20 dias, cada uma delas terrivelmente dolorosa. Tilano, 85 anos, teve que fazer repetidas e caras viagens de ônibus até a cidade para buscá-los. Então seus rins começaram a falhar, o que é um efeito colateral comum da droga, assim como a insuficiência cardíaca e os danos ao fígado.

“A cura foi pior do que a que eu tinha antes”, disse Tilano.

A leishmaniose é uma doença terrível, com tratamentos terríveis que quase não mudaram em um século. O medicamento que Tilano tomou foi administrado pela primeira vez há 70 anos. Todos os tratamentos são uma combinação de sintomas dolorosos, tóxicos, caros ou difíceis de administrar, exigindo hospitalização ou visitas diárias durante um mês.

Entre as chamadas “doenças tropicais negligenciadas”, muitos especialistas acreditam que a leishmaniose é única em termos da falta de progresso, nos 120 anos desde que foi identificada pela primeira vez, para ajudar os dois milhões de pessoas que a contraem todos os anos. ano.

Agora, finalmente, isso está começando a mudar: quando o neto de Tilano, Andrés Tilano, de 14 anos, contraiu leishmaniose no ano passado, ele foi tratado em uma clínica de Medellín com uma terapia experimental que curou sua infecção em questão de dias.

O tratamento que recebeu é um dos vários que estão sendo desenvolvidos pelo Programa de Estudo e Controle de Doenças Tropicais, conhecido como PECET, um pequeno instituto de pesquisa com sede na Universidade de Antioquia, em Medellín. No seu esforço para encontrar novos tratamentos para a leishmaniose, o programa fez parceria com a Iniciativa de Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi), uma organização sem fins lucrativos de investigação e desenvolvimento com sede em Genebra.

Todos os tratamentos experimentais que os investigadores estão a avaliar são muito menos tóxicos, onerosos ou caros do que os que existem agora. Mas ainda existe um grande obstáculo que os impede de chegar aos milhões de pessoas que deles necessitam.

Nenhum dos novos tratamentos foi testado num ensaio em grande escala, aprovado pelo regulador de medicamentos da Colômbia ou adoptado nas directrizes nacionais de tratamento. Quando uma empresa farmacêutica fabrica um medicamento, ela irá guiá-la através do processo regulatório caro e demorado.

Mas não se pode ganhar dinheiro com um medicamento para uma doença que afecta esmagadoramente os pobres, e os institutos académicos ou de saúde pública raramente têm recursos para levar um medicamento até ao fim do processo, disse Marcela Vieira, uma IP brasileira. Advogado com experiência em desenvolvimento e acesso a medicamentos.

O sistema global de desenvolvimento de medicamentos há muito que favorece as empresas do sector privado que podem financiar experiências e doenças que afectam as pessoas com dinheiro para pagar os tratamentos. Há cada vez mais pesquisas novas sobre doenças como a leishmaniose. Do setor público e de instituições acadêmicas em países de renda média., particularmente Brasil, África do Sul, Índia, Cuba e China, disse a Sra. A pandemia de Covid-19, durante a qual os países de rendimento baixo e médio foram relegados para o fim da fila de vacinas e terapêuticas, ajudou a estimular novos investimentos para desenvolver o desenvolvimento e a capacidade de produção de medicamentos.

“Precisamos fazer isso, porque ninguém fará isso por nós”, disse a Dra. Juliana Quintero, especialista em leishmaniose e pesquisadora do PECET.

Os laboratórios de pesquisa do programa estão localizados em seis andares de um volumoso edifício de tijolos da Universidade de Antioquia, em Medellín. No andar térreo, o Dr. Quintero atende pacientes que chegam de ônibus vindos de cidades rurais. Ele sabe que poucos têm condições de ficar um mês na cidade para receber as vacinas; você quer um tratamento que eles possam levar para casa, de preferência um que possam tomar por via oral. Dado que os fundos para o desenvolvimento de medicamentos para a leishmaniose são tão escassos, espere algo que funcione para cada um dos 22 parasitas da família que causam variações da doença nos países tropicais de todo o mundo.

Os pesquisadores da leishmaniose se inspiraram nos indígenas da região: um medicamento que estão testando, um gel que é aplicado nas lesões, é derivado de uma planta que os indígenas usam para combater o parasita. O tratamento experimental que curou Andrés Tilano chama-se termoterapia e é semelhante à tradicional cura indígena de queimaduras. Em sua clínica, a Dra. Quintero usou um dispositivo portátil que emitia calor a 50 graus Celsius (122 graus Fahrenheit) sobre a lesão, matando o parasita em seu interior.

Hoje, a Dra. Quintero prescreve dois tratamentos que seu instituto desenvolveu e os oferece aos pacientes sob o chamado modelo de uso compassivo, uma vez que ainda não foram aprovados ou registrados pelo governo colombiano.

O Sr. Tilano e seu neto sofriam de leishmaniose cutânea, que é a forma menos grave da doença. Pode evoluir para leishmaniose mucosa, quando o parasita infecta tecidos como a parte interna do nariz, ou para o que é chamado de leishmaniose visceral, quando o parasita migra para o baço, fígado ou medula óssea. Se não for tratada, a forma visceral da doença é fatal em mais de 95% dos casos; Estima-se que mate cerca de 6.000 pessoas por ano, a maioria delas na África e na Ásia. O número de mortes diminuiu significativamente nos últimos anos, principalmente devido aos avanços na detecção e tratamento da leishmaniose na Índia, onde é conhecida como calazar.

Como os tratamentos existentes são tão caros e difíceis de obter, disse Quintero, poucos pacientes completam o tratamento. Isso cria um parasita recentemente resistente aos medicamentos, que outro flebotomíneo pode transmitir à sua família ou a outros membros da sua comunidade. Quando a doutora Quintero foi visitar o senhor Tilano em sua casa, não muito tempo atrás, ela conheceu sua filha e sua neta, que tinham grandes cicatrizes circulares de ferimentos que finalmente haviam cicatrizado.

O filho de Tilano, Luis, um madeireiro que se tornou uma espécie de especialista local na doença, pediu ao Dr. Quintero que o acompanhasse até a margem do rio Cauca para ver um vizinho que ele achava que também poderia ter leishmaniose. Depois de navegar por um curioso campo de gado e por uma margem íngreme de um rio, ele rastejou por entre as vinhas retorcidas de uma figueira e encontrou um grupo de mulheres mais velhas garimpando ouro à beira da água. A vizinha, María de las Mercedes González, 55 anos, apresentava grandes lesões no rosto e o Dr. Quintero usou a lanterna do celular para tentar determinar se o parasita já havia se deslocado para a cartilagem do nariz.

“Imagine um animal tão pequeno que uma única mordida pode causar tal problema: é uma criaturinha muito irritante”, disse González depois que o Dr. Quintero explicou o risco que corria sem tratamento e lhe deu a notícia de que teria que gastar 10.000 dólares. pesos (cerca de US$ 2,50, mais do que normalmente ganha em um dia de mineração) para fazer a viagem diária até a cidade para tratamento. Os medicamentos, pelo menos, seriam gratuitos através do sistema de saúde pública da Colômbia.

A DNDi, a organização sem fins lucrativos, examinou mais de 2,5 milhões de compostos (um primeiro passo padrão no desenvolvimento de medicamentos) para encontrar cinco estruturas químicas que, nos primeiros testes de laboratório, pareciam funcionar contra o parasita que causa a leishmaniose. Mas desses cinco, apenas um ou dois avançarão para ensaios clínicos maiores, disse Jadel Kratz, que lidera o trabalho de descoberta de medicamentos da organização na América Latina.

As primeiras descobertas e os estudos pré-clínicos custaram entre 10 e 20 milhões de dólares, disse ele, enquanto a realização dos primeiros pequenos ensaios clínicos para determinar a segurança e algum sinal de eficácia poderia custar outros 6 milhões de dólares. A fase final, um grande ensaio em pacientes para verificar se o medicamento funciona, custa um mínimo de 20 milhões de dólares, muito mais do que as equipas de investigação públicas e académicas podem financiar.

“É um risco enorme para a investigação local se apenas as empresas multinacionais puderem fazer este trabalho”, disse o Dr. Iván Darío Vélez-Bernal, que se aposentou recentemente como diretor do PECET, o instituto de investigação.

Mas o foco da DNDi na leishmaniose e no trabalho de pesquisadores numa rede que inclui Índia, Colômbia e Brasil estão começando a dar frutos. Hoje há cinco medicamentos em testes de Fase 1 e outro em Fase 2, o que é inédito na história da doença.

Não está claro quando ou como os medicamentos passarão para a próxima fase do processo. Os medicamentos que saem das instituições do sector público tendem a definhar sem um defensor, disse Vieira, investigador do Centro para a Saúde Global do Instituto Universitário de Estudos Internacionais e de Desenvolvimento, em Genebra.

Os medicamentos originários de organizações de saúde pública no Brasil ou na Índia são muitas vezes diferentes em aspectos fundamentais daqueles desenvolvidos por uma empresa farmacêutica num país industrializado, disse o Dr. Kratz: Os cientistas que os criam pensam no acesso desde o início, sabendo que o que quer que sejam a concepção terá de ser assegurada por um sistema de saúde com poucos recursos.

Na Colômbia e no vizinho Brasil, a leishmaniose afecta principalmente agricultores, madeireiros e mineiros, pessoas cujo trabalho os coloca em contacto regular com o flebotomíneo. Mas as alterações climáticas estão a fazer com que o habitat da mosca se expanda rapidamente e o Dr. Quintero trata com mais frequência casos de áreas semi-urbanas. Durante a longa guerra civil da Colômbia, grande parte da qual foi travada nas selvas, o parasita também adoeceu os soldados, que foram responsáveis ​​por até metade dos casos em todo o país. Assim, os militares estavam interessados ​​em encontrar tratamento e ajudaram a testar alguns dos medicamentos experimentais.

O governo colombiano está a perder uma oportunidade ao não financiar o ensaio de Fase 3 para terapias experimentais PECET, disse a Sra. Vieira.

“Os ensaios são caros, mas são muito menos do que pagariam por um tratamento se fosse desenvolvido por uma empresa com fins lucrativos, ou tudo o que já têm de pagar, para pessoas que estão doentes e não têm acesso ao tratamento, ” disse.