Domingo, Março 3

Nicarágua liberta bispo católico e outros clérigos presos

As autoridades da Nicarágua disseram no domingo que libertaram 19 clérigos que estavam presos e os entregaram ao Vaticano, o mais recente desenvolvimento na longa perseguição do governo autocrático à Igreja Católica Romana.

Entre os libertados estava Dom Rolando Álvarez, um dos mais proeminentes críticos do governo deixado na Nicarágua, que foi condenado por traição e sentenciado a 26 anos de prisão em fevereiro passado. Outro bispo, Isidoro Mora, 15 padres e dois seminaristas também foram libertados.

Silvio Báez, um bispo nicaraguense exilado nos Estados Unidos, celebrou a notícia numa missa dominical em Miami no domingo, dizendo que “a criminosa ditadura sandinista” do presidente Daniel Ortega “não foi capaz de superar o poder de Deus”.

A libertação ocorreu depois que o Papa Francisco chamou a atenção para os ataques à Igreja em seu discurso de Ano Novo, dizendo aos fiéis reunidos na Praça de São Pedro que estava “seguindo com preocupação o que está acontecendo na Nicarágua, onde bispos e padres foram privados de seus direitos”. . da sua liberdade.”

Num comunicado, o governo da Nicarágua agradeceu ao Papa Francisco “pela coordenação muito respeitosa e discreta realizada” para enviar os 19 clérigos ao Vaticano.

Nos últimos anos, Ortega prendeu ou forçou ao exílio quase todos os líderes da oposição e dissidentes que representaram um desafio credível ao seu governo. A campanha acabou por se voltar contra a Igreja Católica Romana, cujos líderes continuaram a falar contra os abusos do governo.

Martha Patricia Molina, pesquisadora que rastreou ataques a clérigos na Nicarágua, disse ter documentado pelo menos 782 atos de agressão contra a Igreja Católica desde 2018, incluindo padres amarrados e atacados fisicamente por paramilitares.

Notícias do Vaticano relatado em No dia 1º de janeiro, foi relatado que pelo menos 14 padres, dois seminaristas e um bispo haviam sido recentemente presos na Nicarágua. Muitas das recentes detenções ocorreram depois de padres orarem publicamente pelo Bispo Alvarez, disse Molina.

Em Outubro, o governo da Nicarágua enviou ao Vaticano 12 clérigos recentemente libertados da prisão.

Molina disse que era uma boa notícia que os clérigos tivessem sido libertados e observou que a tortura foi documentada nas prisões da Nicarágua. Mas ele condenou o governo por forçar os líderes religiosos a deixar o seu próprio país.

“Neste grupo há muitos sacerdotes idosos e o exílio é algo muito doloroso que terão de enfrentar”, disse Molina.

O bispo Álvarez, que foi preso em agosto de 2022, ganhou destaque como um crítico ferrenho de Ortega em 2018, quando a repressão do governo aos protestos em todo o país levou à morte de mais de 300 pessoas. Ele usou o púlpito da catedral de Matagalpa para exigir a libertação dos presos políticos e justiça para as famílias dos manifestantes que morreram nas mãos da polícia.

Alfonso Flores Bermúdez e carvalhos franceses relatórios contribuídos.