Sábado, Julho 20

Guerra entre Israel e Hamas e ataque ao hospital Al-Shifa: últimas notícias

Guerra entre Israel e Hamas e ataque ao hospital Al-Shifa: últimas notícias

Para muitos civis em Gaza, fugir dos ataques israelitas tornou-se um ciclo sombrio. As ordens de evacuação israelitas levaram mais de um milhão de pessoas a deslocarem-se de um destino para outro desde Outubro, sempre empacotando os seus pertences e procurando transporte (de veículo, carro ou a pé) para escapar aos ataques aéreos e aos combates terrestres entre Israel e o Hamas.

O exemplo mais recente é Rafah, no sul de Gaza, uma cidade que cresceu para mais de 1,4 milhões de pessoas devido ao deslocamento forçado. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, disse na terça-feira que o seu exército invadiria a cidade para erradicar o Hamas, mas forneceria ajuda humanitária e “facilitaria uma saída ordenada da população”.

Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional dos EUA, disse que um grande invasão de terra em Rafah seria um erro, até porque comprometeria ainda mais o acesso humanitário. A deslocação contribuiu para uma crise de fome que assola o território, e as Nações Unidas afirmaram que uma invasão poderia significar que uma situação já catastrófica deslizaria “ainda mais para o abismo”.

Alguns civis dizem que fugiram repetidas vezes. Como muitas pessoas enfrentam a perspectiva de serem deslocadas novamente, aqui está uma olhada no que aconteceu em algumas ocasiões quando Israel ordenou a evacuação de civis.

Norte de Gaza

Caminhando para o sul pela estrada Salah al-Din, em direção ao sul da Faixa de Gaza, em novembro.Crédito…Samar Abu Elouf para o New York Times

Israel comenzó a pedir a más de un millón de civiles que evacuaran el norte de Gaza unas dos semanas antes de su invasión terrestre el 27 de octubre, aunque la zona fue golpeada por ataques aéreos israelíes poco después del ataque liderado por Hamás en Israel el 7 de outubro.

“O Hamas está a usá-los como escudo humano”, disse o contra-almirante Daniel Hagari, porta-voz militar israelita, em 22 de Outubro, apelando aos civis que ainda estão no norte de Gaza para se deslocarem para sul.

Os militares israelitas também espalharam panfletos em árabe sobre a área, alertando que qualquer pessoa que não se deslocasse para sul “poderia ser considerada associada de uma organização terrorista”.

As Nações Unidas disseram que a ordem de evacuação era impraticável e os Estados Unidos apelaram a Israel para adiar a sua invasão para dar mais tempo aos civis. Ainda assim, centenas de milhares de pessoas obedeceram à ordem e deslocaram-se para o sul de Gaza, retirando alguns bens de uma área que já tinha sido devastada por ataques aéreos antes do início da invasão em grande escala.

O sul acabou por não ser uma fuga do perigo. Uma investigação realizada pelo The New York Times em Dezembro concluiu que Israel tinha utilizado algumas das maiores e mais destrutivas bombas do seu arsenal no sul de Gaza, representando uma ameaça generalizada para os civis.

Netanyahu diz que Israel pretende minimizar as baixas civis enquanto luta contra o Hamas, e autoridades israelenses disseram que os combatentes do Hamas criaram postos de controle para impedir que as pessoas cumprissem as ordens de movimentação.

Jan Yunis

Pessoas que chegam a Rafah depois de fugirem de Khan Younis em janeiro.Crédito…Fátima Shbair/Associated Press

No início de Dezembro, após um cessar-fogo de uma semana, Israel lançou uma grande operação militar em Khan Younis, a maior cidade do sul de Gaza. Muitos civis fugiram do norte de Gaza para a cidade.

Os militares israelenses alertaram novamente os civis para deixarem partes de Khan Younis rumo a Rafah e outros lugares mais ao sul, embora os moradores tenham dito que às vezes eram avisados ​​com apenas algumas horas de antecedência. Israel também lançou panfletos sobre Khan Younis e divulgou informações sobre quais partes da cidade estavam seguras em determinado momento.

Vários palestinos disseram, no entanto, que as ordens para deixar Khan Younis, ou para se mudar para dentro dele, eram confusas, até porque pareciam mudar ao longo do tempo e deixavam poucas oportunidades para reunir bens. Além disso, obedecer às ordens significava transportar os membros da família (muitos dos quais já tinham sido deslocados várias vezes) para um novo local onde as perspectivas de abrigo e fornecimentos básicos eram incertas.

Os civis também disseram que quando fugiam conforme as instruções, por vezes encontravam-se em locais envolvidos em combates ou sujeitos a ataques aéreos.

Rafael

Um acampamento improvisado com pessoas deslocadas em Rafah na semana passada.Crédito…Bassam Masoud/Reuters

A zona segura em grande escala designada mais recentemente é Rafah, que enfrenta a fronteira egípcia fechada e tem sido imensamente inchada pelo deslocamento. Sem alojamento suficiente, muitos dos seus novos residentes montaram tendas improvisadas.

Rafah tem sido alvo de ataques aéreos e combates nas últimas semanas. Por exemplo, as autoridades de saúde de Gaza afirmaram em 12 de Fevereiro que pelo menos 67 pessoas tinham sido mortas durante a noite em ataques aéreos na cidade. Os militares israelitas lançaram uma operação para resgatar duas pessoas mantidas reféns em Gaza desde o ataque de 7 de Outubro.

Al-Mawasi

Palestinos deslocados em Al-Mawasi, Gaza, no mês passado.Crédito…Mohammed Abed/Agência France-Presse — Getty Images

As autoridades israelitas pediram às pessoas, pelo menos duas vezes, que se dirigissem a Al-Mawasi, uma aldeia costeira no sul de Gaza que poderia ser um destino para as pessoas solicitadas a deixar Rafah. Autoridades humanitárias disseram que a aldeia carece de abrigo, ajuda humanitária e infraestrutura básica.