Sábado, Julho 20

Essa bebida vale a pena para você?

Essa bebida vale a pena para você?

O consumo de álcool aumentou durante a pandemia, o que pode explicar por que as notícias sobre álcool de qualquer tipo parecem ter encontrado um público receptivo nos últimos anos. Em 2022, um episódio do podcast “Huberman Lab” dedicado a explicar os diversos riscos do álcool para o corpo e o cérebro foi um dos mais populares do programa daquele ano. As bebidas não alcoólicas ganharam tanta popularidade que começaram a formar a base de guias inteiros de vida noturna; e há agora mais pessoas que relatam consumir cannabis do que álcool diariamente.

Alguns governos estão a responder à nova investigação revendo as suas mensagens. No ano passado, a Irlanda tornou-se o primeiro país a aprovar legislação que exige uma advertência sobre o cancro em todos os produtos alcoólicos vendidos no país, semelhante aos encontrados nos cigarros: “Existe uma ligação directa entre o álcool e os cancros mortais”, lê-se no texto. E no Canadá, o governo reviu as suas directrizes sobre o álcool e anunciou: “Agora sabemos que mesmo uma pequena quantidade de álcool pode ser prejudicial à saúde.” As diretrizes caracterizam um a dois drinques por semana como “baixo risco” e três a seis drinques como “risco moderado”. (Anteriormente, as diretrizes sugeriam que as mulheres se limitassem a não mais do que duas bebidas padrão na maioria dos dias, e que os homens estabelecessem esse limite em três.)

Nenhuma quantidade de álcool é boa para a saúde; isso está claro. Mas pode-se razoavelmente perguntar: Quão ruim é isso? As informações que recebemos sobre os riscos para a saúde muitas vezes ignoram os detalhes de quanto risco real uma pessoa enfrenta, como se esses detalhes não valessem a pena conhecer. Hoje em dia, quando penso em tomar uma bebida durante o jantar, pergunto-me até que ponto devo ajustar o meu comportamento à luz desta nova investigação. Ao longo dos anos, ouvimos muitas coisas que nos fazem muito bem ou muito mal: tomar café, correr, correr descalço, restringir calorias, comer exclusivamente proteínas, comer exclusivamente hidratos de carbono. A conversa na minha cabeça é mais ou menos assim: “Devo ficar preocupado? Claramente, até certo ponto, sim. Mas quanto exatamente?

Tim Stockwell, cientista do Instituto Canadense de Pesquisa sobre o Uso de Substâncias, é um dos principais responsáveis ​​pela nossa correção cultural em relação ao álcool, mérito ainda mais notável por estar convencido de seus benefícios à saúde. Stockwell acreditava tão fortemente na bondade do consumo moderado de álcool que escreveu, num comentário na principal revista médica da Austrália em 2000, que os céticos sobre o assunto poderiam razoavelmente ser agrupados na mesma categoria que “aqueles que duvidam das missões lunares tripuladas”. e os membros da Flat Earth Society.”

Pouco depois, Stockwell recebeu um telefonema de Kaye Middleton Fillmore, socióloga da Universidade da Califórnia, em São Francisco, que lhe disse que tinha dúvidas sobre a pesquisa que Stockwell considerava tão sólida. Fillmore estava preocupado com possíveis variáveis ​​enganosas nos estudos: Para começar, eles incluíram ex-bebedores na categoria “abstêmios”, o que significava que não levaram em conta a possibilidade de algumas pessoas terem parado de beber especificamente por causa de uma doença. Os bebedores moderados pareciam saudáveis ​​em comparação, criando a ilusão de que uma quantidade moderada de álcool era benéfica.