Domingo, Março 3

Conselho de Segurança da Guerra Israel-Hamas: Últimas Atualizações

O Conselho de Segurança da ONU adoptou na sexta-feira uma resolução apelando a um aumento da ajuda aos civis desesperados em Gaza e a uma pausa nos combates para entregar essa ajuda com segurança, encerrando quase uma semana de intensas disputas diplomáticas destinadas a garantir que os Estados Unidos não bloqueiem a medir.

A votação foi de 13 a 0, com abstenção dos Estados Unidos e da Rússia. Por insistência dos Estados Unidos, a medida não exigia uma trégua imediata. Em vez disso, apelou a “pausas e corredores humanitários urgentes e prolongados” em datas e locais não especificados, “para permitir o acesso humanitário completo, rápido, seguro e sem entraves”.

Os Estados Unidos, sob pressão de Jerusalém para preservar as inspecções israelitas à ajuda, atrasaram várias votações agendadas sobre a resolução, enquanto os negociadores tentavam chegar a um compromisso e evitar o veto dos EUA.

“Os Estados Unidos conseguiram se livrar de uma confusão diplomática bastante séria esta semana”, disse Richard Gowan, diretor da ONU para o Grupo de Crise Internacional. “Penso que muitos membros da ONU não ficarão satisfeitos com o texto muito complicado que o Conselho acaba de aprovar, mas também ficarão aliviados pelo facto de o Conselho poder chegar a um acordo sobre qualquer coisa.”

Não ficou claro como a resolução afetaria os atuais combates em Gaza, onde as autoridades de saúde dizem que cerca de 20.000 palestinos foram mortos em ataques aéreos e operações terrestres israelenses, ou se as suas demandas por um aumento nas entregas de ajuda humanitária em todas as rotas poderiam ser implementadas. A resolução também apela à libertação imediata de todos os reféns feitos durante os ataques liderados pelo Hamas contra Israel em 7 de Outubro.

As resoluções do Conselho de Segurança são juridicamente vinculativas para os Estados-membros, mas aplicá-las, o que requer consenso, pode ser difícil.

“Sabemos que este não é um texto perfeito”, disse Lana Nusseibeh, embaixadora dos Emirados Árabes Unidos, que lidera as negociações. “Sabemos que apenas um cessar-fogo acabará com o sofrimento”.

Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, falando com o representante palestino na ONU, Riyad Mansour, na sexta-feira.Crédito…Charly Triballeau/Agência France-Presse — Getty Images

Antes da votação final, a Rússia propôs uma alteração que teria regressado parcialmente a um projecto anterior da resolução, incluindo uma exigência de suspensão das hostilidades, mas os Estados Unidos vetaram essa alteração.

Um grande ponto de discórdia foi a questão de saber se Israel continuaria a inspecionar todos os carregamentos de ajuda, que autoridades da ONU disseram ter atrasado a entrega de alimentos, combustível, medicamentos e outras ajudas. Israel, no entanto, lutou para manter a supervisão da ajuda que chegava a Gaza.

“Tal como este Conselho está empenhado em aumentar a ajuda, também deveria comprometer-se em bloquear o contrabando e a transferência de armas para os terroristas do Hamas”, disse Jonathan Miller, vice-embaixador de Israel na ONU.

O primeiro passo, de acordo com a resolução, é o secretário-geral da ONU nomear um coordenador especial responsável por “facilitar, coordenar, monitorizar e verificar” se a ajuda que entra em Gaza é de natureza humanitária, que deve “consultar todas as partes relevantes”.

O coordenador terá a tarefa de negociar com todas as partes para agilizar a entrega da ajuda e deverá apresentar um relatório de progresso ao Conselho no prazo de 20 dias.

Embora se tenha abstido, Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos EUA na ONU, disse que a resolução “fala da gravidade da crise e apela a todos nós para fazermos mais”. Acrescentou que o Conselho “deve continuar a apoiar a retoma das pausas humanitárias”.

A Sra. Thomas-Greenfield não explicou a abstenção dos Estados Unidos, mas disse estar profundamente desapontada pelo facto de a resolução não condenar os ataques terroristas do Hamas de 7 de Outubro contra Israel.

O embaixador da Rússia na ONU, Vasily Nebenzya, disse que os esforços dos EUA para alterar o texto ao seu gosto foram “cínicos e vergonhosos” e “não transparentes”. Ele disse que a resolução foi diluída a ponto de dar “luz verde às forças israelenses para cometerem crimes de guerra”. A única razão pela qual a Rússia não vetou a resolução, disse ele, foi porque ela tinha o apoio dos Estados árabes.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse esperar que a resolução “faça as pessoas compreenderem que um cessar-fogo humanitário é necessário se quisermos que a ajuda humanitária seja eficaz”.

Riyad Mansour, o representante palestino na ONU, fez um discurso emocionado no Conselho, no qual contou a história de uma menina que perdeu os pais e morreu poucos dias depois num ataque a um hospital. Ele acusou Israel de ataques desproporcionais a Gaza.

“Esta resolução é um passo na direção certa”, disse Mansour. “Deve ser implementado e acompanhado de uma pressão massiva para um cessar-fogo imediato.”