Domingo, Março 3

Alargamento da crise no Médio Oriente: Divisões políticas sobre a condução da guerra perturbam Israel

Parentes e apoiadores de israelenses mantidos reféns em Gaza acenderam fogueiras que bloquearam parcialmente o tráfego em uma importante rodovia de Tel Aviv na manhã de sexta-feira, em um sinal de crescente frustração pelo fracasso do governo em trazer os reféns restantes para casa.

Os agentes da polícia detiveram sete manifestantes que se tinham “envolvido em conduta desordeira e comportamento ilegal”, interrogaram-nos e depois libertaram-nos, disse a polícia num comunicado. A polícia liberou rapidamente a rodovia e restaurou o fluxo de tráfego antes do início do fim de semana israelense.

O Fórum de Reféns e Famílias Desaparecidas, principal grupo que defende o retorno dos reféns, disse que não organizou o protesto que bloqueou a Rodovia Ayalon e não o aprovou. Embora haja um amplo apoio entre os israelitas à campanha em Gaza, muitos estão cada vez mais exasperados com a falta de progressos por parte do governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu no regresso dos reféns a casa.

Numa conferência de imprensa na quinta-feira, alguns familiares dos cativos acusaram o gabinete de guerra de Israel de demorar e apelaram ao governo para que chegasse a um acordo internacional para os reféns. “Parem de mentir para nós”, disse Shir Siegel, cujo pai, Keith Siegel, 64, está entre os reféns. “Você não está fazendo tudo que pode.”

Daniel Elgart, cujo irmão Itzik foi raptado do Kibutz Nir Oz, disse à televisão israelita na sexta-feira que os membros da família estavam dispostos a perturbar a vida quotidiana, arriscando ser detidos e encarcerados, para recuperar os seus entes queridos.

“Teremos que fazer o que o governo não está fazendo”, disse ele. “Talvez tenhamos que ir nós mesmos e bloquear a entrada de ajuda humanitária em Gaza.”

Eli Shtivi, cujo filho, Idan, é refém, anunciou sexta-feira que entrou em greve de fome e apelou a outras famílias para se juntarem a ele no acampamento em frente à casa de Netanayahu em Cesareia, onde disse que esperaria até que o primeiro-ministro partisse. para falar com ele. O jovem Sr. Shtivi foi sequestrado no festival Nova.

Acredita-se que cerca de 130 pessoas permaneçam em cativeiro em Gaza, das mais de 240 que, segundo as autoridades israelitas, foram raptadas de casas e bases militares durante os ataques liderados pelo Hamas em 7 de Outubro.

A ofensiva militar israelita em Gaza, agora no seu quarto mês, não conseguiu garantir a liberdade dos reféns e não há sinal de um acordo entre eles e o Hamas. Mais de 100 reféns foram libertados durante um cessar-fogo de uma semana em Novembro, em troca de cerca de 240 palestinianos detidos em prisões israelitas, e crescem os apelos em Israel para outro acordo semelhante.

O protesto em Tel Aviv ocorreu um dia depois de o refém mais jovem, Kfir Bibas, que foi sequestrado com os pais e o irmão de 4 anos de sua casa em Nir Oz, comemorar seu primeiro aniversário. Pessoas em Tel Aviv e em outras partes de Israel lançaram balões laranja em homenagem ao menino, um ruivo, e acenderam velas em bolos de aniversário simbólicos rodeados de presentes.

Um manifestante detido brevemente na sexta-feira foi Ayala Metzger, cujo sogro de 80 anos, Yoram Metzger, permanece cativo em Gaza. Metzger tem diabetes, dificuldade para andar devido a uma fratura anterior no quadril e está sem medicação há três meses, dizem parentes.

Sua esposa Tami, 78 anos, que também foi sequestrada em sua casa em Nir Oz, foi libertada em novembro.

“Chegou a hora de meu governo e meu primeiro-ministro trazerem de volta meu sogro e seus amigos”, disse Ayala Metzger, de acordo com uma entrevista ao site de notícias Walla. Ele atacou a retirada de algumas tropas terrestres por Israel e acrescentou: “O governo está retirando forças de Gaza e esquecendo os reféns de lá”.

Num comunicado divulgado na sexta-feira, a polícia israelita disse que embora a força “defenda firmemente o direito fundamental à liberdade de expressão”, não toleraria ameaças à ordem pública, “especialmente em tempos de guerra contra uma organização terrorista cruel”.

Mais protestos eram esperados ao longo do fim de semana. Várias centenas de manifestantes, a maioria mulheres, manifestaram-se na manhã de sexta-feira na Praça Dizengoff, em Tel Aviv, onde cafés e restaurantes se encheram de gente a partir do fim de semana, guardados por uma presença policial invulgarmente forte.

Os manifestantes arrastaram uma gaiola contendo uma artista performática usando um vestido com uma grande mancha vermelha, em alusão à violência sexual cometida por militantes do Hamas em 7 de outubro. Cerca de 17 mulheres, a maioria delas jovens adultas, permanecem reféns. .

Os manifestantes pediram às pessoas nos cafés que “largassem os seus expressos” e se reunissem. Muitos carregavam cartazes que diziam: “Um acordo agora!”