Domingo, Março 3

A psiquiatria paliativa deve ser considerada para anorexia?

Poucos dias depois, já não perto da morte, Naomi anunciou que iria para casa e o hospital respondeu colocando-a em espera por saúde mental por 72 horas. Os médicos obtiveram então o que o Colorado chama de certificação de curto prazo, que exigia, por ordem judicial, que Naomi fosse detida e tratada, se apropriado, até atingir o que os médicos determinaram ser 80% do seu “peso corporal ideal”. No Colorado, como na maioria dos estados, uma paciente pode ser tratada contra a sua vontade se estiver mentalmente doente e for considerada incapaz de tomar decisões informadas. Naquele dia, Naomi foi transferida para um programa residencial no Eating Recovery Center (ERC) em Denver.

“Estou com tanta raiva, estou com tanta raiva”, disse Naomi em outra mensagem de vídeo, com a voz monótona e impassível. “Eles me desrespeitaram completamente. “Eles me enganaram.” Naomi podia sentir que sua mente estava diminuída (estava muito lenta, muito relaxada), mas descobriu que conseguia pensar em linha reta. Ela poderia raciocinar. Então, por que os médicos afirmaram o contrário? Naquela época, ela já havia entrado e saído de hospitais, enfermarias psiquiátricas e programas de transtornos alimentares, incluindo o ERC, mais vezes do que conseguia se lembrar. Foi realmente tão irracional da parte dele presumir que tentar o mesmo tratamento pela centésima vez seria inútil?

Quando adolescente, Naomi acreditava que os programas de tratamento poderiam salvá-la. Ela fazia alimentação supervisionada e participava de sessões de terapia de grupo onde, entre outras coisas, os pacientes discutiam as origens e possíveis funções psíquicas de seus transtornos alimentares. Às vezes, Naomi contava a história de como ela parou de comer porque pensou que isso a tornaria uma nadadora mais rápida. Ou que ela só queria ser especial, como se seu irmão mais velho fosse especial porque era muito inteligente. Outras vezes contava a história do dia em que seu avô morreu e toda a família foi comer em um restaurante. Naomi se rebelou ao ver todos alimentando seus corpos com algo tão carnal quanto comida, quando deveriam estar inundados de dor. Anos mais tarde, era difícil saber se alguma dessas histórias de origem tinha importância. A cada internação hospitalar, Naomi engordava. A cada vez, o peso extra parecia insuportável e ele o perdeu logo após a alta.

Com o passar dos anos, Naomi achou mais difícil “seguir” o tratamento padrão. Ele se recusou a participar de sessões de grupo. Ou ele se perdeu durante a terapia, que considerou infantil e inútil. Às vezes, ele manipulava seus soros porque era horrível ver aqueles sacos plásticos de calorias líquidas sendo esvaziados em seu corpo. Durante algumas internações, Naomi se forçou a ganhar peso para poder receber alta. Outras vezes, ele desconectou contra orientação médica. Mais tarde, Naomi começou a comer compulsivamente e a purgar. Ela pedia licença depois de comer e ia para o quintal vomitar em sacos plásticos que jogava no quintal do vizinho, para que ninguém a visse. Ele vomitou e vomitou até que o ácido estomacal queimou o esmalte de seus dentes e ele teve que gastar US$ 22 mil para substituí-los.

Entre programas de tratamento e hospitalizações de emergência, Naomi, de 18 anos, foi para a faculdade. Eu queria estudar psicologia, mas a única coisa que realmente conseguia fazer era me exercitar horas por dia sem comer quase nada, talvez uma maçã. Em seu último ano, ele desistiu. Mais tarde, ela encontrou empregos nos quais estava interessada – uma auxiliar de enfermagem certificada fazendo avaliações de saúde em casa, uma coordenadora de pacientes em um hospital – mas eles eram frequentemente interrompidos por outra entrada médica.